Câmara aprova medidas contra violência à mulher e carteiras para canhotos nas escolas

Os vereadores de Paulínia aprovaram nesta quarta-feira (16/11) proposta para obrigar que bares, restaurantes e casas de eventos em geral adotem medidas de auxílio à mulher em situação de risco e vulnerabilidade.

Se o projeto for sancionado pelo prefeito, os estabelecimentos terão de fixar cartazes divulgando o tema; capacitar funcionários sobre como proceder nesses casos e acompanhar possíveis vítimas a ambientes seguros.

De acordo com o autor, vereador Cícero Brito (MDB), essa seria mais uma ferramenta de proteção contra assédio e violência, incluindo divulgação de telefones da Polícia Militar e da Guarda Municipal.

A Câmara também votou projeto determinando que todas as escolas, públicas ou privadas, tenham carteiras destinadas a canhotos. Embora seja uma medida simples, o vereador Messias Brito (PL) diz que poucas escolas se preocupam com isso, causando incômodos e problemas de saúde a estudantes que escrevem com a mão esquerda.

Ainda foi aprovado atendimento prioritário às pessoas com albinismo em consultas dermatológicas e oftalmológicas, diante dos riscos que essas pessoas enfrentam pela reduzida melanina fabricada pelo organismo, conforme texto do vereador Alex Eduardo (Solidariedade).

ZUMBI DOS PALMARES

Antecedendo a Semana da Consciência Negra, o Plenário aprovou diplomas de Zumbi dos Palmares a dois servidores públicos de Paulínia: advogada Sarita Lanza, graduanda em Psicologia e militante na luta contra o preconceito e a discriminação racial, e Alfredo Luís Da Silva, formado em Gestão Pública e membro do Coletivo Antirracista de Paulínia (COAP).

A honraria foi sugerida pelo vereador Gibi Professor (PTB). Foram debatidos outros dois diplomas: Mulher Destaque a Rosa Luciana Alexandre Gumiero (autoria do vereador Fabio Da Van-Cidadania) e 28 de Fevereiro à clínica Martins Bonilha Serviços Médicos (proposta pelo vereador Fabio Valadão-PL).

A 38ª Sessão Ordinária ocorreu nesta quarta por causa do feriado de 15 de novembro.


A proposta de auxílio à mulher em risco está em sintonia com o ODS 5 – Igualdade de Gênero. ODS são Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, uma agenda mundial que estabelece ações em áreas importantes como erradicação da pobreza, saúde, educação, igualdade de gênero e redução das desigualdades (saiba mais).


Texto: Felipe Luchete.

Compartilhar essa postagem


Pular para o conteúdo