Câmara convoca secretário e empresa para discutir problemas nos ônibus

As críticas ao serviço de transporte público coletivo na cidade, dias após a troca da empresa concessionária, foram tema de reunião nesta quarta-feira (15/1) na Câmara de Paulínia. Os vereadores convocaram representantes da Prefeitura e da Terra Auto Viação para cobrar providências.

Parlamentares fizeram questionamentos sobre a manutenção dos veículos, a quantidade de carros da frota, o atraso de linhas, passageiros deixados nos pontos de ônibus, o funcionamento de ar-condicionado, documentos de veículos em desconformidade com a lei, padronização dos veículos, prazo para regularizar os erros e as condições de acessibilidade oferecidas a pessoas com deficiência.

O Legislativo definiu que vai organizar uma comissão de vereadores, com conhecimento nas áreas de transporte, mecânica e acessibilidade, para fiscalizar instalações, veículos e serviços. Também entregou ofício ao governo municipal e à empresa com todas as perguntas, baseadas em reclamações de moradores e publicações na imprensa e em redes sociais.

Participaram da reunião, com perguntas e cobrança de medidas, o presidente da Câmara, vereador Antonio Miguel Ferrari, o Loira (DC), e os vereadores Marcelo D2 (PROS), Tiguila Paes (CIDADANIA), Daniel Muller (PL), Fábia Ramalho (PMN), Fábio Valadão (PRTB), Flávio Xavier (DC), João Mota (DC), José Soares (REPUBLICANOS), Manoel Filhos da Fruta (PCdoB) e Marcelo Souza (PRTB). Os demais parlamentares encaminharam assessores como representantes. ­

Ainda estiveram presentes o vice-prefeito de Paulínia, Sargento Camargo (PSDB); o secretário municipal de Transportes, Antônio Carrera; o secretário municipal de Governo, Danilo Barros; o chefe de Gabinete da Secretaria de Transportes, Adriano Marino; João Vitor Teixeira, assessor especial do prefeito, e a diretoria-geral da Câmara, Geise Piva Vilela.

Informações
O representante da Terra Auto Viação, Márcio Silva, disse que o maior problema foi a falta de tempo para capacitar mão de obra: funcionários da antiga empresa foram incorporados no mesmo dia em que começou a valer o contrato, no dia 11 de janeiro.

Ele afirmou que todos os elevadores para cadeirantes funcionam, atribuindo falhas registradas a erros de operação, e também declarou que foi necessário instalar estrutura para cobradores, pois veículos novos são montados sem esse espaço próprio.

Segundo Silva, os ônibus estão em boas condições (há 62 disponíveis) e já foram tomadas medidas para atender a população. Ele também tentou explicar o motivo da circulação de ônibus com letreiros de bairros do Rio de Janeiro: os painéis deveriam ter ficado desligados, com nome das linhas de Paulínia em placas nos primeiros dias.

O secretário de Transportes, Antônio Carrera, relatou como foi feita a contratação do serviço e disse que a empresa já foi notificada para cumprir obrigações contratadas. De acordo com a Prefeitura, não houve erro no edital: foi dada publicidade na escolha e o contrato é provisório e emergencial, com a mesma quantidade de ônibus e as mesmas rotas anteriores, e o valor de R$ 8 milhões ainda não foi liberado.

Texto: Felipe Luchete
Assessoria de Imprensa
imprensa@camarapaulinia.sp.gov.br
Imagens: Câmara Municipal de Paulínia

Compartilhar essa postagem


Pular para o conteúdo