Lei que obriga vigilância armada em bancos precisa de fiscalização, diz Danilo

Já faz dois anos que uma norma municipal obrigou instituições bancárias e cooperativas de crédito a contar com vigilância armada 24 horas, inclusive nos finais de semana. O vereador Danilo Barros (PL) solicita informações da Prefeitura sobre a implementação e fiscalização da Lei 3.550, proposta por ele e aprovada pela Câmara de Paulínia em 2017.

O autor questiona se as agências foram notificadas sobre a regra, se o governo municipal já adotou fiscalizações e se existe alguma forma de divulgar aos consumidores a respeito da existência da lei, para que os próprios usuários ajudem a cobrar providências.

“Pela alta movimentação que esses locais possuem para saque e depósitos, principalmente nos horários em que as agências estão fechadas, há um risco muito alto de assalto aos caixas eletrônicos, ou até mesmo as chamadas ‘saidinhas’, onde a pessoa é observada realizando a operação e em seguida é assaltada”, alerta no Requerimento 593/2019.

O vereador também pede informações da Prefeitura, no Requerimento 592/2019, sobre o modo como foi contratada a instalação do semáforo da rotatória do Fontanário. Segundo ele, foi utilizado o sistema de compra direta, em vez de licitação.

Danilo propôs ainda que o governo municipal aterre o canteiro na calçada da avenida José Paulino, no Centro, perto do ponto de ônibus do clube Paulinense.

[av_font_icon icon=’ue801′ font=’cmp’ style=” caption=” link=” linktarget=” size=’20px’ position=’left’ animation=” color=” id=” custom_class=” av_uid=’av-2mgtom’ admin_preview_bg=”][/av_font_icon]MAIS DETALHES
Acompanhe o andamento das propostas.

Texto: Felipe Luchete
Assessoria de Imprensa
imprensa@camarapaulinia.sp.gov.br
Imagens: Prefeitura de Vacaria
Câmara Municipal de Paulínia

Compartilhar essa postagem


Pular para o conteúdo