João Mota quer ambulatório de média complexidade para atendimento ao idoso

Seguindo a hierarquia de atendimento, esses centros incluem-se no atendimento secundário, complementando os serviços prestados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS), que representam o atendimento primário à saúde. Na rede básica, não há todos os especialistas. Assim, quando necessário, o paciente é referenciado ao ambulatório de atenção secundária. No caso da atenção à saúde do idoso, os centros de referência secundária configuram-se como locais onde os profissionais especializados atuam sobre os principais problemas apresentados por esta população. Além disso, contribuem para a melhoria da qualidade de vida e da inclusão social dos idosos, por meio de grupos de atividades e de centros de convivência.

A característica do Centro de Referência do Idoso é sua multidisciplinaridade, inúmeros idosos necessitam de abordagens multidimensionais, que muitas vezes apenas um profissional especializado não consegue fazê-lo. Para facilitar a abordagem, as atividades terapêuticas são realizadas em grupos, que são divididos por pacientes com doenças e incapacidades semelhantes, propiciando um espaço para troca de experiências e uma nova forma de encarar suas dificuldades. Os diversos membros da equipe assistencial atuam em conjunto, em atividades planejadas e aulas informativas, para a correção de alguns vícios no cuidado à saúde e esclarecimento de dúvidas.

Texto: ASCOM Ver. João Mota

Compartilhar essa postagem


Pular para o conteúdo